quarta-feira, dezembro 5

Apneia

Fitei-lhe os seios, desproporcionais à silhueta esguia, coberta de um negro ajustado às formas esculpidas por uma formosa génese. Pediu-me que avançasse e tomou-me, com jeito, o objecto. Pegou-lhe num afago e levou-o para a sua beira. Comecei a acalorar-me. Dava-lhe voltas para o alindar. Cobria-o com o empenho que podia. Passei a sufocar na pulsada impaciente que me rebentava no peito. Ela, diligente, revirava-me o objecto. Voltou atrás, para de novo começar. Importunava-me o zigezaguear e faltava-me o ar. Desacertava a dobra. Vincava, para voltar a desdobrar. Estava a ponto de me asfixiar. Voltou a segurar-lhe. Apoderou-se-lhe uma outra vez. Continuava a enrolar. E eu desfalecia, porque começava a ficar um cheiro que não se podia. Dez minutos volvidos, saí com um embrulho negro amarrotado e apertado com 20 voltas de fita vermelha, convicto que a volumetria peitoral não abona a ligeireza do aprumo. E não se pode com o calor, e fedor, nas perfumarias por estas alturas da quadra. Nota final: oferecem-se duas amostras de tratamento oligotermal ultra-hidratante, ou, por outras palavras, creme para metrossexuais

3 comentários:

flower power disse...

e no meio desse zigue-zague quem é que deu com a embalagem, quem foi?!

Florença disse...

Qual creme para metrosexuais? Eu acho q um Homem deve cuidar-se sempre :)

trincadeira disse...

Confessa que não dispensas uma base de maquilhage e pões uns pozinhos de perlimpimpim na fronha logo pela manhã? :)))