sexta-feira, junho 29

Regime de caserna

Vamos a contas. Duas semanas! O mesmo que 15 dias, que, por sua vez, totalizam qualquer coisa como 360 horas. Contando que cada hora dobra aos 60 minutos, então estamo-nos a referir à monstruosidade de 21.600 minutos. Dieta rigorosa, abstémia, insossa. Sem bolinhos, docinhos, salgadinhos. Nem assados, guisados, gratinados ou refogados. Uma bucha para aquietar o apetite e água mineral, bem gelada já agora, para me passar o calor

quinta-feira, junho 28

Piu piu

Aqui o Fogacho, o Vita e o Periquito repetíamos o costume de saltar uma ou outra aula enfadonha de Religião e Moral e zarpar até aos treinos do Glorioso. Partíamos da Brandoa e atravessávamos os terrenos enlameados que agora dão guarida à estação de Metro do Colégio Militar. Com lodo até aos joelhos, assistíamos embevecidos à mestria de Diamantino, venerávamos a classe de Carlos Mozer e aplaudíamos o killer instinct de Rui Águas, o homem que nos levou à final dos Campeões com duas cabeçadas a uns romenos. Antes do jogo com o PSV Eindhoven, o Benfica anunciou que tinha dez bilhetes para oferecer, viagem incluída. Quem quisesse ser contemplado com o valioso 2 em 1 teria, porém, de cumprir a formalidade de defender um penalty do Eusébio. Chegado o dia do desafio, voltámos a saltar a disciplina dos bons costumes e fomos tentar a sorte. A meio caminho já se vislumbrava a quilometragem de candidatos, que embicavam em fila moderadamente ordeira até ao campo de treinos. Duas horas, e centenas de frangalhadas, depois, chegou a nossa vez. Eu fui o primeiro. Nem tive tempo de evocar o Pai Nosso. Encolhi-me todo com o estoiro da Pantera Negra e dei a vez ao Vita. Quando o pobre coitado se preparava para erguer os polegares para consentir o remate, já o Eusébio tinha anichado o esférico no fundo das redes, desta vez com um remate mais colocado. Entrou o Periquito, sempre o mais destemido dos três. Tinha acabado de chumbar nas captações do Benfica e queria desforrar-se do desinteresse dos olheiros com uma viagem de borla até Estugarda. Olhou a Pantera de frente e aguardou, com soberba, o desferimento do pontapé. Quando o Eusébio denunciou o esgar de remate, o Periquito deu um traiçoeiro passo em frente, para reduzir o ângulo ao craque reformado. O melhor jogador do Mundo mandou uma biqueirada que passou pelo meio das pernas do meu amigo, depois de ressaltar ali pela zona do escroto. O Periquito deu um peru com dois sacos de penas, saiu em ombros (tivemos de o carregar até casa) e passou duas semanas a piar fininho

quarta-feira, junho 27

Arcanjo estivador

Tenho gratas memórias do falecido Manuel Bento. Pequenino, franzino, de farta caracoleta e bigode farfalhudo. Além de dono da baliza do Benfica, Bento era também a cópia fiel do meu anjo da guarda. Aparecia com frequência nas minhas sestas. Não dizia nada, mas ficava ali a olhar-me. No dia em que contei isto à minha mãe, o sangue drenou-se-lhe para as extremidades capilares e a mulher ficou mais pálida que a cal das fachadas alentejanas. A partir daí, foi muito complicado convence-la a ficar sozinha em casa comigo. Quando me assaltavam as saudades do anjo Bento, vou chamar-lhe assim, corria para o quadro pregado na sala da minha tia e lá o reencontrava na cabina do barco, como podem testemunhar pelo vulto que nitidamente dali transparece. Há dois séculos atrás, o Bento exercia no ramo da estiva madeireira. Foi esmagado por um tronco centenário e encontrou a paz de finados acompanhando-me nos repousos diários. Com o amadurecimento da minha vivência, o Bento foi-se desleixando, até ao dia em que não mais deu sinal, para descanso da minha mãe, que ainda hoje me pergunta, a gaguejar, se voltei a ver o fantasma

terça-feira, junho 26

Fada Medina

A propósito da Bolsa da Sensualidade, desafio lançado pelo diário Correio da Manhã, lembrei-me dos parcos recursos para elaboração de fantasias na minha pré-adolescencia. Nestes tempos modernos, é oferecido um cabaz de referências nacionais com reservas suficientes para sustentar o imaginário até à reforma. Na penúria da década de 80, a cobiça tinha fronteiras delimitadas e apontava quasi exclusivamente às locutoras de continuidade. Entre a parca oferta, ficou-me a Fátima Medina. Em suma, a minha sexualidade foi edificada sobre a versão de uma mulher de bolso. Neste particular, tratava-se de uma criatura de pulso e tornozelo maciços, ligeiro prognatismo no maxilar superior, que lhe conferia um sorriso perene, olho cristalino, pálpebra gorda e rosto ovular. Semanalmente, ia circulando pelas publicações de referência: as resistentes Nova Gente e Maria e a já defunta Crónica Feminina. Preparava-nos monocordicamente para mais uma sessão de Bota Botilde, um novo episódio do Blue Thunder, o helicóptero indestrutível, ou a fornada de animação checa servida pelo Vasco Granja. Como a líbido borbulhava pustulenta, condescendia-se e a Fátima desembaraçava o novelo do imaginário pueril. A Ana Lourenço chegou tarde demais... seria homem de gosto mais apurado, mas não podia chamar-me Borges

segunda-feira, junho 25

Bi winners

Kerri Walsh e Misty May constituem a dupla mais temível de volei de praia da nossa actualidade. As norte-americanas coleccionam troféus com a mesma facilidade com que um transeunte pontapeia inadvertidamente um calhau nos passeios de calçada em Lisboa. Bloqueios intransponíveis, serviços demolidores, recepções de encaixe e passes de bandeja são argumentos técnicos que roçam a perfeição e vão cilindrando todas as opositoras. Kerri, o andaime, movimenta-se com assustadora agilidade nas posições 2, 3 e 4, zonas mais próximas da rede, para entendimento dos mais leigos. Misty, a tigresa, faz do recurso ao vigor de braço para vaguear com omnipresença nas zonas 1, 6 e 5, mais distantes do campo, pertencendo-lhe a percentagem mais significativa de pontos ganhantes. Acresce à virtuosidade inata das atletas uma cumplicidade singular, que tende a estreitar as personalidades e homogeneizar estilos... Mas vocês estão a tomar atenção ou vou ter que repetir a lenga-lenga??

sexta-feira, junho 22

xOy mesmo um grande nabo!

Se a assimptota representa o caminho que se aproxima continuamente de um ideal sem jamais o atingir, porque raio a associam à função g? E depois dizem que andamos a formar miúdos incapazes

quinta-feira, junho 21

Ricos rápido

Passa agora na TV um anúncio filantropo... daqueles com as letrinhas subnutridas em roda-pé... de uma instituição bancária que se presta a ceder um acréscimo de três por cento aos nossos rendimentos mensais. Para isso... fiando que os extras miudinhos correm à velocidade da luz exclusivamente para cadenciar o spot televisivo... teremos apenas que transferir a mesada do patronato para a conta de uma qualquer dependência do referido grupo de benfeitores. Com a taxa de inflação fixada no presente em 2,4 por cento, oferecem-nos um poder de compra para lá das cinco décimas percentuais... acreditando que não existem taxas de esforço camufladas nas letrinhas muito pequeninas... o que nos permitirá estoirar em inutilidades o sobejante proporcionado por esta campanha de benemerência. Muito obrigado Jorge... a quem acusam invejosamente de furtar a um amigo o comando técnico do colosso Futebol Clube de Arouca... por ofereceres a cara pela graciosa iniciativa desses desinteressados banqueiros, que nos proporcionarão o deleite das carteiras e mais-valias nas angustiantes rotinas de endividamento. Fica, porém, o agradecimento condicionado ao revisionamento das imagens em super-slow motion!

terça-feira, junho 19

Mershare mal

Uma andorrenha radicada no nosso país, na casa dos 30, abdicou do recato que a caracteriza e chegou-se à opinião pública para um veemente desmentido sobre infusões plásticas. Garantia um bando de enxovalhadores que a apresentadora teria corrigido a esguia fisionomia em forma de cajado com um lascivo par de implantes mamários. A malicia da versão agudizou-se com a expedita solução de recorrer aos dois enxertos de borracha para nutrir um rabo alegadamente descarnado. A andorrenha, cuja epiderme começa a assemelhar-se a um mural grafitado, importunou-se com as notícias que circulavam entre publicações-que-dão-uns-belos-laxantes e ofereceu-nos uma lapidar contradita, bradando, em desgovernada fúria, que "não há cu para tanta mentira". Desconfio que o acintoso trocadilho revolucionará as audiências do madrugador programa de sábado, Factor M, cujo share se fixa actualmente em discretas nano-percentagens

segunda-feira, junho 18

Jack

Violava marcos de correio para furtar os cheques, in Diário de Notícias

Uma notícia inquietante que nos conduz à resignada conclusão:


- Se não te move o prazer, falo por dinheiro!

sexta-feira, junho 15

O axioma

Perfazem para lá de duas décadas sobre os meus tempos de menino e das saudosas tertúlias sobre a concepção e os seus rituais adjacentes. Amparado por um manual iniciante ao conhecimento do corpo humano, insistia junto dos comparsas que os ditos seriam fruto de semente depositada por um humanóide, de falo em rosca, numa botija almofadada na zona abdominal da humanóida. As pedagógicas gravuras da obra que me secundava o conhecimento careciam, porem, de fundamento para os que insistiam no teorema do cuspo. Na ideia deles, a origem da existência derivava dos beijos mais acalorados. Seria o suco das glândulas salivares, impregnado nas férteis papilas gostativas, a desencadear a complexa multiplicação celular, depois de devidamente deglutido pelas senhoras suas mães. Constatei de pronto que o referido axioma, assente em parâmetros delirantes, denunciava a incapacidade do colegiado em imaginar os progenitores a fazer aquilo. Ficam, até hoje, dois lamentos. O primeiro pela intransigência do pessoal em teimar com o fertilizante oral. O segundo, por nunca ter conhecido a cegonha que me trouxe de Paris

quinta-feira, junho 14

Palmaminhas

Imagens inéditas de Sophia Loren praticando para a prometida sessão de striptease, em virtude do regresso do seu Nápoles à primeira divisão italiana de futebol. Vamos fazer força para que a coreografia da septuagenária seja do agrado de todos e que, no final, se brinde a velhota com uma ensurdecedora salva de palmas. Não se preocupem com a arrumação, que há de aparecer de seguida uma zelosa equipa de almeidas para recolher criteriosamente os restos

segunda-feira, junho 11

Em retiro

Volto depois das sardinhadas dos santos... até lá

sexta-feira, junho 8

Manual de vivência

Premir só depois de folgar a espoleta

quarta-feira, junho 6

Porta de saída

Era a manhã a grelar. A vigília coxeava com o sono à perna. Nem o café duplo chegou para arrebitar uma face comprimida com as três horas de repouso. Mesmo assim, avancei, que outra coisa não se esperava. Estava por ali, a aguardar vez, quando ela me fitou as olheiras, que reforçavam uma palidez nauseada dos excessos de véspera. Olhou-me de novo, sem que me encontrasse o fito de volta. Conseguiu deter-me o rosto na sua fronte e tratou de verbalizar o ensejo que a movia:
- Montre moi vottre taille!
Os requisitos modestos no domínio do idioma, agravaram-me as dúvidas e só consegui ripostar isto:
- Pardon?!
Iniciou um manejo que saciava o que o olho nu não alcançava. Voltou a insistir:
- Je veux la voir!
Incrédulo com o desembaraço, perguntei de novo, só para me certificar:
- Ici?
Nem duas milésimas de segundo volvidas, saiu-lhe num sagaz imperativo:
- Maintenant!!
Solavancou-me para as suas proximidades e deteve-se no meu pertence:
- Cette boucle de ceinture...
Ah, isso, folgar a fivela? Anui e esperei pelo que dava...
- ... l'enléve des pantalons
De calças nas mãos, passei o cinto pela detector e ala para o avião de regresso

sexta-feira, junho 1

Prison fake

O restóran vai encerrar por uns dias. Estou a caminho de Bruxelas. Caso não regresse, estarei a cumprir pena máxima por furto descarado das estatuetas do Tintin, da Milu, do Capitão Haddock, do Dupond, do Dupont, do Gaston Lagaffe, do Spirou, do Fantásio, do Marsupilami, do Asterix, do Obelix, do Ideafix, do Panoramix, do Abracourcix, da Falbala, do Lucky Luke, do Jolly Jumper, do Rantamplan, do Joe Dalton, do Jack Dalton, do William Dalton e do Averell Dalton. Espero que, pelo menos, sirvam cerveja à indiscrição no cárcere