quarta-feira, outubro 15

Bitchum

A propósito de uma recente contenda com um antigo tertuliano da Cinemateca, venho hoje aqui com o propósito de rectificar ligeiramente a minha adversidade ao cinema clássico. No que respeita à area da pelicula projectada na tela, não sou apreciador do que se produziu na primeira metade do século passado. O cinema mudo da-me cabo dos tímpanos. Não se aguentam as marteladas de piano nas cordas laças. Depois, a adição do som veio expor a aflitiva incapacidade cénica de alguns que são apontados hoje como ícones da sétima arte. Esse meu interlocutor ex-tertuliano lá acedeu e admitiu que havia muito canastrão. Eu concordo e acrescento: personagens como Humphrey Bogart, Clark Gable ou Errol Flyn constituem o pior bando de broncos, logo a seguir aos concorrentes, e acompanhantes, do Momento da Verdade. Existem, no entanto, excepções. Se há filme que me acirrou a tendência de estimar os vilões foi A Noite do Caçador, uma produção de 1955 (tinha o meu pai largado os cueiros) arrepiantemente interpretada por Robert Mitchum, um actor feioso mas que representava à séria. Posteriormente, perdeu-se um bocadinho e passou a teimar, de forma suspeita, em trajar de marinheiro em grandes produções televisivas. Está bem que numa dessas séries, Ventos de Guerra, foi bafejado pela fortuna e contracenou com Ali MacGraw, mas não creio que a estampa tenha achado alguma piada às fardamentas, e à fronha de trambolho, do Robert

1 comentário:

Joana disse...

http://www.youtube.com/watch?v=J3Pl-qvA1X8&feature=related


:)