segunda-feira, março 31

A martelada de Jennifer

Jennifer Jones amacia o martelo. Retira-lhe as impurezas. Coloca-o a jeito para o lançar com ajuste. Expira numa sofreguidão que lhe denuncia a tensão carregada. Volta a fitar o destino que lhe reserva os louros. Amacia-o de novo e recua em ligeira hesitação. Balança o corpo. Recua e avança de novo. Cerra o olhar e mordisca os lábios carnudos. Sussura algo imperceptível e prepara-se para o solavanco final. Antecipa, no último segundo, o caminho até ao ponto da glória. É o momento. Jennifer lança o martelo que amaciara segundos atrás. Ordena que esfreguem para aquentar o atrito... sobre o pavimento gelado do pavilhão de Vernon. O curling só é ridículo para quem não atenta às peculiares minudências do chinquilho sobre o gelo. Estou fã

2 comentários:

Florença disse...

Muitos gostas tu do curling :)

Eu continuo com a mesma opinião de outrora: o gajo que inventou essa merda devia estar a friccioná-lo...

Pulha Garcia disse...

um bom martelo não precisa de ser amaciado para render. Promova-se o Martelo Rambo.