terça-feira, maio 20

Fortuna de outrora

Consegui finalmente confirmar a efeméride há poucos dias: 18 de Março de 1981. A data nada dirá a muitos, mas, no que me respeita, entranha-se-me no íntimo da formação clubista. Lembrava-me da bancada de granito frio do primeiro anel. Da almofada, improvisada em recheio de jornal, que o meu pai trouxe de casa. A mesma que tinha dado conforto ao rabo da minha mãe num concerto do Chico Buarque no Coliseu dos Recreios. No que a memória ainda me permitia na actualidade, tinha a certeza absoluta que, nessa noite, jogou o Laranjeira, o cromo mais repetido da minha colecção de caderneta. Recordava-me também que o adversário vestia de laranja e que fui enxovalhado no dia seguinte por um vizinho. Fiz-lhe pirraça e contei-lhe que tinha ido pela primeira vez ao Estádio da Luz. “Só foi pena termos empatado”, disse-lhe, resignado. “Empatado?? Mas o Benfica ganhou 1-0!! Ou és um grande mentiroso ou estiveste a dormir”, respondeu-me, em dobro de troça. No meu primeiro jogo na Catedral, o Benfica ganhara a uns alemães do Fortuna de Dusseldorf com um golo do Chalana a três minutos do fim. Na ocasião, já eu tinha abalado do estádio com o meu pai a garantir que “isto já não vai dar nada”. Hoje, vou sabendo que o Benfica não ganha. Há mais de 27 anos, o Benfica até ganhava e eu não sabia

2 comentários:

Joana disse...

juro que me comoveste...

RIP Benfica Campeão!

trincadeira disse...

muito bom :)