sexta-feira, fevereiro 15

Acendelhas

A Parvónia, que forneceu um punhado de convivas para uma mega campanha publicitária de uma empresa de fornecimento de electrodomésticos e DVD's, está indignada com a birra dos escuteiros portugueses. Os nossos escutas desencadearam uma luta judicial que promete arrastar-se até ao tribunal europeu dos direitos humanos. Aqueles rapazes de gorro na cabeça, garrote no pescoço, calção a meia perna, soquetes brancos e botins consideraram-se achincalhados na dignidade e não encontram motivo para o escárnio. No meu entendimento, grupos de matulões e matulonas com vestimentas colegiais, que cagam na mata, entoam canções compostas por colectividades cristãs e às oito da noitinha arrumam-se em sacos-cama individuais não são parvos. São, vá lá, extravagantes, com costumes desusados e uma vocação singular para fazer fogueiras

2 comentários:

Florença disse...

Eu conheço alguns: uns verdadeiros conas.

Avelã disse...

finalmenteeeeeeeeeeee haja alguem que concorda comigo que os escuteiros são uns coneiros do raio, que corja de moralistas