quinta-feira, março 22

Introspecções de elevador

- Ele: munhia
- Ela: munhia...
- Ele: (Não olho, não olho e não olho! Cagalhão de gaja... só por ser gira deve ter a mania)
- Ela: (Que fedor... cheiras a carapaus)
- Ele: (Presunçosa... Pareces uma estátua. Deves ter sido violada... só pode)
- Ela: (É incrível. Só pensam nisso. Apanhei-te a olhar para as minhas mamas)
- Ele: (Trancada? Qual trancada... dava-te é duas galhetas que te virava do avesso)
- Ela: (Graças a Deus que isto tem vídeo interno...)
- Ele: (Quer dizer, bem conversado.. dava cama... sexo à bruta!)
- Ela: (Tens ar de porco!)
- Ele: (És pouco boa...)
Clink!
- Ela: (Bonito... eu a pensar que este saía agora no segundo)
- Ele: (Fosga-se, não desembarcou aqui??... Tás a pedi-las... deves querer passeio)
- Ela: (Se ele se mexe, eu grito!)
- Ele: (Estas gajas são cheias de não me toques. Devem morrer virgens com estas frescuras...)
- Ela: (Bolas... esqueci-me das purpurinas... vou ter de ir a casa quando sair daqui)
- Ele: (Xiii... ainda tenho passar pela farmácia para levantar as aspirinas da Maria)

Clink!
- Ele: munhia
- Ela: (Pira-te!)

3 comentários:

Florença disse...

Fenomenal! LOL

carla disse...

o q é preciso é alegria no trabalho!

:)

trincadeira disse...

Porque é que ele havia de cheirar a carapaus? A cena não se passa de manhã? Ou ele come peixe assado com cereais ao pequeno-almoço? E ela, qual é a cena das purpurinas? É assim primordial que tenha não passe um dia sem elas?! Estranho...