quarta-feira, novembro 14

Xiça, penico!

Além do seu cariz incondicional, perene e transcendente, o amor paternal pode distorcer-nos a sensibilidade. Neste âmbito complexo de sentimentos, determinados preconceitos reaprendem-se e dotam-se de pioneiras percepções do meio. A milha filha andava a sofrer com um surto agudo de obstipação. Por arrastamento, a crise instalou-se nas preocupações diárias de um penico teimosamente vazio. Perdeu-se a conta dos dias acumulados de infrutíferas investidas ao vasilhame até que um odor pestilento se sobrepôs ao aroma dos 40 ambientadores que a Maria espalhou lá por casa. Seguindo o rasto, conflui ao quarto de banho. Nunca um cenário de dois quilos de bosta despojados no bacio me pareceu tão reconfortante e desmesuradamente belo. Já me abalei com merda de terceiros, mas foi a primeira vez que me vieram as lágrimas aos olhos

5 comentários:

Florença disse...

:) A isso chama-se amor, com mau cheiro!!!

Anónimo disse...

Oh pá o que e´a vida!
As voltas que a vida dá ,agora ficas emocionado com um penico cheio de m.... .
Lindo menino!Isso é que amor!
TL

Anónimo disse...

omolete, so tu so tu!!!mas no fim, es um poeta!ES O MAIOR!!quando crescer quero ser como tu!:D

bejos
juli

flower power disse...

e a alegria com que ela te chamou para veres o maravilhoso cenário?!? estava orgulhosa a nossa menina pela "prenda" que nós tinha dado, e sabia que tu irias ficar ao rubro ;o)

Joana disse...

conversa do cagalhoto!