sexta-feira, agosto 8

Tales from the heart

Deixaste a porta entreaberta para me facilitar a investida. Esperavas na sala com indiferença glaciar. Olhaste-me de soslaio e ordenaste que me despisse, num trato frio e autoritário. Tirei a roupa. Disseste para me acercar de ti para que pudesses passar-me o gel pelo corpo. Levantaste-te e, num esgar de sorriso quase imperceptível, murmuraste-me "hoje sou eu que faço a cama". Sacaste do rolo de papel asséptico, estendeste-o pela marquesa e mandaste-me deitar. Fiquei todo besuntado, mas o electrocardiograma correu bem

2 comentários:

Anónimo disse...

Neste caso os fins justificam os meios? Descrição fílmica esta!:-)
Bjs

Florença disse...

Romântico esse electrocardiograma ;)