sexta-feira, janeiro 26

Jaquinzinho

Vem este post a propósito de uma recente confidência de um colega de trabalho. Gabava-se de andar enrolado com uma adúltera que apreciava ser violentamente esbofeteada aquando dos calores do acto. Ora o citado relacionamento de ocasião lembrou-me uma história que se contava nas antigas tertúlias do bar da Estrela. O Joaquim, vamos camuflar assim a verdadeira identidade do nosso herói acidental, coleccionava namoradinhas e contentava-se com a moderada actividade sexual. Uma vez por outra, perdia a cabeça e fazia aquilo de pé. Mas a vida do Quim sofreria uma inesperada reviravolta no dia em que colidiu com uma desvairada de andamento indiscutivelmente superior às lolitas que ia namoriscando. Jantaram um par de vezes e, embalados por duas garrafas de tinto Meia Encosta, acederam finalmente copular. Além de umas palmadas cirurgicamente assentes na zona nadegueira, a nova sócia só começava a ruborizar quando injuriada pelos mais picantes palavrões. Habituado a uma terminologia mais convencional, o Quim começou por estranhar, mas tal qual coca-cola no goto do Pessoa, foi ganhando gosto por aquela pouca vergonha, a ponto de sofrer insónias de só pensar naquilo. No entanto, a insaciável carência vexatória da desequilibrada começou a desgastar o nosso herói, já sem adjectivos que pudessem compensar as necessidades vernáculas da parceira. Em nova sessão de cambalhota, e quando a mulher se preparava para lhe pedir um punhado de invectivas que accionassem a ingnição, o Quim mirrou e abeirou-se, junto com a sua azeitona, dos pés da cama. Quando a tarada se lhe dirigiu para indagar do imprevisto recuo, o Quim não se conteve e chorou como uma criança, assumindo, entre soluços, o sincero lamento: Eu não consigo... Eu não consigo! Vestiu-se e saiu porta fora. Nunca mais se soube do Quim. Infortunadamente, também não há notícias do paradeiro da desvairada

4 comentários:

flower power disse...

esta história lembra-me outra... mas a seu tempo vai lá pró meu "andar"! de resto, taras qualquer um tem! uns admitem, outros não!!

Florença disse...

Que linda história de amor, meu deus. É pena não acabar em bem, do estilo "tau tau tau e viveram felizes para sempre". Não ligues, eu sou uma romântica :P

Woman disse...

O que me espanta aqui é a fulanita que gosta de uma boa noitada ser rotulada de desvairada e, o Quim de herói quando de calças na mão nega fogo de lágrima no canto do olho. Já não se fazem homens como primeiro, ou será ao contrário.

Saudades Fogachito. ;)
Beijos!

PS: Já me tinha destreinado das letrinhas em baixo, mas agora vai. ;)

carla disse...

opa ja tou como a woman, lá pq a mulher gosta de cenas diferentes e n sei q é desvairada????
bolas pa, q sexista me saíste!

e ah, tou triste ctg, ja n me visitas, ja n me ligas, ja n me comentas.. snif snif... :(