domingo, novembro 5

Gilles, o Bárbaro

Alertou-me esta criativa para uma curiosa obra de Gilles Barbier, um tipo francês com desmesurado sentido de humor. Tem expressões plásticas engraçadas. Por outras palavras, tem um jeitinho risível. Mas por vezes intromete-se em meios que deviam ser palmilhados com reverência e decoro. Achou por bem o engraçadinho desmistificar a comunidade de heróis, que zela diariamente pela integridade dos mortais. O artista gaulês esmurrou-me o estômago. A mim e a milhares de milhões de terrestres, que contam com a cuidada diligência do clube de justiceiros. Defende Barbier, com a referida manifestação tétrica, que esgotou o prazo dos signos da imortalidade. A Catwoman com achaques de menopausa, o Capitão América prostrado numa marquesa ou o Super Homem apoiado em andarilhos são interpretações distorcidas, que lesam a integridade de um planeta que cultiva diariamente bandos de parasitas. Tenha cuidado senhor Gilles, que os nossos heróis não deixarão passar incólume a afronta

4 comentários:

Anónimo disse...

... o texto que faltava

=)

flower power disse...

a idade passa por todos, até pelos super-heróis...

Woman disse...

É deprimente, tão triste como descobrir que o pai natal não existe...

Um beijo

carla disse...

Então mai frende?? Comé???
Dois dias sem ti, não dá jeito nenhum!
Vá toca lá a aparecer!
A malta sente falta!!!!