terça-feira, agosto 15

Dejecto perfumado

Não há amor como o primeiro. A Elizabeth Savalla terá sempre prioridade, mas a Louise Brooks brasileira não me preencheu os afectos para todo o sempre. Naqueles tempos, estávamos confinados a dois canais de televisão, mas entre a parca oferta sempre se encontravam umas carinhas larocas. Um bom exemplo de terreno fértil dessas pérolas acidentais era a afamada série Fama. Lembro-me com saudade da namoradinha da primeira época, que desapareceu tão rapidamente quanto irrompeu pelos ecrans portugueses. Aquilo devia ser uma rebaldaria nos estúdios e os produtores preferiram abdicar da musa, sob o risco de serem perfilhados bebés latinos a vulso. No enredo, simulava uma química tórrida pelo Leroy, mas eu contorcia-me no sofá para um desfecho trágico da relação. Ela merecia muito mais que um bailarino com trancinhas. Tinha nome de matéria fecal, mas a Coco, Irene Cara no bilhete de identidade, emanava perfume de mulher

3 comentários:

Woman disse...

Para quem já teve uma pancada pela Gata Borralheira, espera-se tudo... :D

Beijo

fogacho disse...

não sabes guardar segredo???

Woman disse...

Ups, escapou-se. Língua de Mulher... :D

Beijo