sexta-feira, agosto 25

O meu amor é verde

Escrevo como ando. Não escrevo o que me vem à cabeça, escrevo o que me vem à mão. Escrevo à mão, com uma Bic Soft Feel Roller preta, sobre uma folha A4 de papel reciclado cor-de-rosa. Barthes criticou aquilo a que chamou o "estilo Bic". O meu estilo é estilo Bic Soft Feel Roller, Adília Lopes, in Crónicas da Vaca Fria, Pública

As curtas férias que acabei de usufruir proporcionaram-me o mais delicioso dos reencontros. Redescobri a prosa de uma alienada numas Públicas de há cinco anos trás. Não sei se encenação, se puro desequilíbrio ou desgoverno existencial, mas Adília Lopes é que é. Pode considerar-se despudoradamente um ícone sexual dos tempos modernos. Pelo menos para mim, Adília mostrou que o sexo pode ser louco, na pior acepção da palavra. A poetisa-escritora, famosa por ter transformado o lar num fedorento gatil, foi outrora uma infeliz convidada do afamado programa Sex Appeal. Ora nesse particular programa, a lânguida Elsa Raposo desafiava a andrógena criatura a descrever um orgasmo. A mulher saiu estúdio fora e desceu a Avenida da Liberdade a roçar-se nos centenários plátanos. Foi das raras vezes que quase desidratei de tanto chorar a rir

5 comentários:

Woman disse...

HAHAHAHAHA... Tenho de ir à casa de banho... Já volto...
Ai que ainda tenho de copiar aquelas letrinhas de baixo que quase nunca acerto à primeira, diga-se de passagem. Bolas lembra-se de cada uma, este senhor. Ainda estou para saber para que servem, REALMENTE.
Ok, já não vou a tempo ao WC e não...

fogacho disse...

faz favor de limpar tudo antes de se ir embora

Woman disse...

Fique a saber que sou uma rapariga muito limpinha... Raça do miúdo, chiça...

Luísa Freire disse...

Adília Lopes é uma senhora e eu é fâ!
Querida Woman, quem lhe dera escrever como ela!

fogacho disse...

vá, vá meninas... não se peguem